Monthly Archives: Fevereiro 2011

Clube de Leitores de O MIRANTE com António Marinho e Pinto (26-08-2010)

Os membros do Clube de Leitores de O MIRANTE que quiserem assistir à palestra do Bastonário da Ordem dos Advogados, António Marinho e Pinto, deverão confirmar a sua presença pelo telefone 243305080 (falar com Mariana) até ao dia 13 de Setembro. O espaço onde se vai realizar a conferência tem um número limitado de lugares

A iniciativa realiza-se dia 16, pelas 18 horas, e inclui visita à redacção de O MIRANTE.

Ver notícia mais desenvolvida sobre esta iniciativa na página 21 desta edição.

Orlando Raimundo foi convidado para iniciativa do Clube de Leitores de O MIRANTE (27-05-2010)

Os jornalistas têm um sindicato para “facilitar descontos em camionetas”

O Sindicato dos Jornalistas existe, mas não serve para nada. Quem o diz é Orlando Raimundo, convidado de uma iniciativa do Clube de Leitores de O MIRANTE. O jornalista fala em défice de debate na área da comunicação e diz que os investigadores andam arredados da realidade a debitar teorias “disparatadas” sobre o que não conhecem.

“O Sindicato dos Jornalistas não serve para nada, a não ser para nos facilitar o desconto numas camionetas”. As palavras são do jornalista Orlando Raimundo, convidado de O MIRANTE para uma conversa depois de uma visita do Clube de Leitores a duas exposições no Museu do Neo-Realismo, em Vila Franca de Xira, que decorreu na tarde de sábado.

“Nem a carteira profissional passa pelo sindicato porque existe uma comissão própria. A própria história esvaziou o sindicato que negociava os contratos colectivos. Com a criação do jornal «Público» os contratos individuais foram generalizados”, continua.

Da mesma maneira, o Clube dos Jornalistas não tem qualquer utilidade para a classe, diz o jornalista sénior. “O clube caiu na asneira de aceitar um prédio generosamente oferecido pelo Krus Abecassis quando era presidente da Câmara de Lisboa na zona da Lapa. A zona da Lapa é completamente desastrosa. Nenhum cidadão, a começar pelos que lá vivem, consegue estacionar”.

Para Orlando Raimundo há um défice de debate na área da comunicação. “Falta um espaço de reflexão onde as pessoas possam debater os desenvolvimentos que estas coisas sofrem a toda a hora. Sobre qual é o nosso papel no meio disto tudo”, argumenta.

O jornalista traz à conversa o caso Watergate [uma investigação jornalística que levou à queda do presidente Richard Nixon nos Estados Unidos da América, passada a filme], exemplo paradigmático para os teóricos estudiosos do jornalismo de investigação. Orlando Raimundo defende que a situação hoje tem que ser vista de uma outra maneira, o que gera inquietação nos meios académicos e jornalísticos. “O caso Watergate foi um trabalho de investigação ou foram dois jornalistas a fazer de idiotas úteis para derrubar o Nixon, que está a ficar na história como um dos maiores presidentes de sempre dos Estados Unidos?”, questiona criticando a postura dos investigadores da área que criam teorias arredados da realidade.

“Os investigadores das ciências da comunicação estão noutra onda. Acham que desenvolvem teorias que são importantes e a maior parte delas são disparatadas porque eles não têm nenhuma ligação à realidade”, acrescenta.

Orlando Raimundo pegou numa declaração curiosa de José Sócrates para dizer que considera que a maior parte dos jornalistas adormeceu no tempo e muitas vezes não acompanha o ritmo da mudança. “O mundo não mudou só nos últimos 15 dias, como disse o primeiro-ministro José Sócrates em entrevista. O mundo muda todos os dias. E nós temos que estar atentos às mudanças que se estão a operar”, conclui.

Orlando Raimundo lembra a responsabilidade da função de jornalista que em Portugal ainda continua a ser uma das actividades com mais credibilidade, ao contrário do que acontece em França. “As pessoas pensam aquilo que nós quisermos que elas pensem. Estamos a formar opinião pública. O MIRANTE faz isto num universo. O Expresso faz isto noutro universo, mas fazem os dois”, diz Orlando Raimundo sublinhando que o leitor tem o direito de saber aquilo que aconteceu e não apenas aquilo que o jornalista pensa sobre aquilo que aconteceu.

O jornalista, que durante 20 anos se dedicou à investigação no Expresso, falou sobre independência e sobre a paixão que constitui a actividade de uma profissão “que é um modo de vida e não um modo de morte”.

Questionado pelo director geral de O MIRANTE, Joaquim António Emídio, contou ainda como sempre geriu a relação com as fontes de informação, protecção das mesmas e como ao longo de uma carreira defendeu, de forma convicta, as histórias que foi passando para o papel, mesmo na afronta aos mais poderosos.

“A liberdade de Imprensa, tal qual está na constituição, só se aplica verdadeiramente nos jornais que tenham independência no estatuto editorial, que é o caso de O MIRANTE”, disse confessando-se fiel leitor do semanário.

Os pombos ao serviço do jornalismo

No início dos anos 60, depois da reabertura do Campo de Concentração do Tarrafal, em Cabo Verde, na altura já só para nacionalistas africanos, Salazar conseguiu que a NATO convidasse os jornalistas portugueses para uma operação de charme para sensibilizar a população portuguesa.

Orlando Raimundo recorda que a organização mandou um grande porta-aviões, que fundeou ao largo de Lisboa, para levar os repórteres a acompanhar uma operação. “Era a primeira vez que isto acontecia. Nunca os jornalistas tinham tido esta oportunidade. Quando começam a entrar para o barco aparece um tipo gordo, careca, com dois cestos cheios de pombos. Um em cada mão. Ficou tudo parvo a olhar e a pensar: «este gajo é maluco»”.

O cidadão chamava-se Urbano Carrasco e foi, para Orlando Raimundo, um dos maiores repórteres com quem teve o privilégio de trabalhar no Diário Popular. O que Urbano Carrasco fez foi uma lição para todos os jornalistas seus contemporâneos. “Quando eles voltaram a reportagem estava toda escrita no Diário Popular. Todos os dias ele mandava um pombo que ia parar a um contínuo do jornal que depois levava a mensagem para a redacção”, conta.

À época a lentidão destes processos era uma coisa contra a qual não havia nada a fazer. Eça de Queirós, o único repórter português na abertura do canal do Suez, publicou a reportagem três semanas depois, exemplifica. Quando aqueles repórteres foram escrever já estava tudo escrito. Moral da história, conclui Orlando Raimundo: “A velocidade da informação é uma mudança fabulosa e importantíssima”.

Orlando Raimundo fez questão de relacionar a conversa com as exposições do Museu do Neo-Realismo, em Vila Franca de Xira (Tarrafal – o campo da morte lenta e António Borges Coelho), visitadas no âmbito de uma iniciativa do Clube de Leitores de O MIRANTE, a que se seguiu uma conversa com o jornalista.

Orlando Raimundo elogiou o trabalho do espaço de cultura e felicitou O MIRANTE pela iniciativa que fez recordar “os passeios de Helena Vaz Silva do Centro Nacional de Cultura que fizeram história”.


Clube de Leitores de O MIRANTE visita Museu do Neo-realismo (28-04-2010)

Confirma-se a visita dos membros do Clube de Leitores de O MIRANTE ao museu do Neo-Realismo em Vila Franca de Xira. A exposição sobre a vida e obra do historiador António Borges Coelho e a exposição sobre o Tarrafal justificam plenamente a escolha deste museu para aquele que vai ser o primeiro encontro de membros associados do Clube de Leitores de O MIRANTE.

Membros do Clube de Leitores de O MIRANTE falam dos seus interesses (01-04-2010)

O caso das crianças de Foros de Salvaterra (concelho de Salvaterra de Magos) retiradas aos pais pela Comissão de Protecção de Crianças e Jovens (CPCP) é o assunto que a maioria dos novos membros do Clube de Leitores criado por O MIRANTE tem acompanhado com maior atenção nos últimos meses.

Nuno Miguel Francisco dos Santos é uma das pessoas que tem acompanhado o evoluir do caso mas confessa que as notícias do seu concelho, Benavente, são as que lhe despertam mais atenção. É o princípio da proximidade a ditar as suas leis.

O que também marca a região onde se edita O MIRANTE é a tauromaquia. Grande parte dos membros do Clube de Leitores confessa ser aficionado. É o caso de Nuno Miguel Francisco dos Santos, José António Mira Salvador, José Manuel Epifânio Abreu, Maria de Lurdes Mendes Costa, por exemplo. Todos eles são influenciados pelas vivências culturais da região.

A par da tauromaquia, todos têm outros interesses, tanto a nível de ocupação de tempos livres como de notícias. Apreciador de museus e de tudo o que esteja relacionado com História, António Pinheiro Ferreira Ervideira, residente em Marinhais, gosta de ler todo o conteúdo de O MIRANTE dando preferência às notícias de sociedade. O casal José Manuel Epifânio Abreu e Maria Lurdes Mendes Costa, folheia O MIRANTE de ponta a ponta. Curiosamente é Maria de Lurdes quem dá mais atenção aos assuntos da secção de política. O casal gosta de ir ver um teatro de revista quando tal se proporciona.

Além da história das crianças de Foros de Salvaterra, José António Mira Salvador, de Vale Figueira (concelho de Santarém) tem acompanhado com bastante interesse o caso do acidente que envolveu uma carrinha de O MIRANTE, ocorrido em Junho de 2008. A forma como algumas companhias de seguros actuam é um assunto que interessa a muitos leitores. Afinal quase toda a gente tem um seguro de qualquer coisa. Adepto de futebol e touradas, José António Mira Salvador também gosta de ver teatro, cinema e espectáculos musicais.

Esmeralda Santos Simões, de Marinhais, gosta de conhecer outros países e visitar museus. Sempre que lê O MIRANTE procura primeiro as notícias que têm chamada à primeira página do jornal deixando a restante informação para ir lendo aos poucos.

As notícias mais dramáticas são as que despertam imediatamente o interesse de Luísa Fernandes Gomes Dias Silva, que também reside em Marinhais. Nos tempos livres gosta de bailes; de ouvir música e sempre que pode pratica hidroginástica. O marido, Silvério de Jesus Correia da Silva, é um entusiasta de festas e não perde uma oportunidade de dar um pezinho de dança ou de conviver com amigos à volta de um petisco nas tasquinhas. Ao fim-de-semana aprecia um bom jogo de futebol. Leitor assíduo de

O MIRANTE lê todo o conteúdo do jornal semanalmente.

O Clube de Leitores de O MIRANTE foi criado em Junho de 2009 para dinamizar actividades culturais e promover o convívio. Para saber mais informações sobre esta nova iniciativa contacte o departamento de assinaturas e promoção do jornal.

Última Página – O Clube de Leitores de O MIRANTE (01-04-2010)

Transformem-se em pássaros e subam as árvores com as vossas crianças ao lado e adiem até poderem as idas ao fim-de-semana aos grandes espaços comerciais. Era mais ou menos assim que me apetecia dirigir a palavra a um pai e a uma mãe que vi recentemente numa grande superfície comercial com o filho pela mão no meio de uma grande birra. Eu estava de passagem por causa da visita à livraria. Mas pelo caminho e até chegar à rua quase sufocava no meio da multidão.

E ao olhar a criança, que se arrastava pelo chão, lembrei-me do prazer de fazer o mesmo mas sujando as calças no barro, picando as pernas no tojo, enterrando as botas na lama, esfolando os joelhos nas pedras, batendo com o nariz no chão ao saltar do ramo mais alto de uma árvore. É mais fácil praticar a ida ao centro comercial que uma viagem pela charneca ou pela lezíria durante uma manhã, ou uma tarde, mas devia fazer parte dos hábitos de quem se considera um bom educador. O que se aprende subindo as árvores, e desfrutando dos caminhos do campo e da charneca, fica para mais tarde recordar. O que fica de uma tarde numa grande superfície comercial é, regra geral, uma grande canseira e a frustração do dinheiro mal gasto. E às crianças não lhes resta outra alternativa que protestar fazendo birra.

O Museu do Neo-Realismo, em Vila Franca de Xira, inaugurou recentemente uma exposição sobre a vida e a obra de António Borges Coelho. O Professor e Historiador, com 82 anos, acaba de lançar o seu primeiro volume da História de Portugal com o título “Donde Viemos”, uma obra a uma só mão, anunciada há três décadas, desde que nasceu a História de Portugal do (nosso) Professor Joaquim Veríssimo Serrão.

Em Portugal a vida literária e intelectual é uma feira de vaidades. Por isso passam despercebidos em vida as grandes figuras da ciência e das artes. Os outros, a arraia-miúda, sobra-lhes em influência e na arte de aparecerem nos jornais e na televisão o que lhes falta em génio e sabedoria. Uma exposição para ver até Setembro e um primeiro volume de uma nova História de Portugal, escrita, como avisa neste primeiro volume Borges Coelho, “ao rés da fala . Não sigo o cânone. Persigo o rigor e o prazer da palavra”.

O Clube de Leitores de O MIRANTE é uma boa ideia que precisa ser posta em prática. Não sei se é boa ideia partilhar as emoções que surgem a meio de uma crónica. Mas apetece-me deixar aqui o desafio de reunirmos brevemente em Vila Franca de Xira para visitarmos esta exposição da vida e obra de António Borges Coelho, “o homem que se entregou a nós”, título de um texto de opinião de Baptista Bastos na sua coluna do Jornal de Negócios à sexta-feira. JAE

Disponível em:

http://ultimapaginaomirante.blogspot.com/2010/03/o-clube-de-leitores-de-o-mirante.html

Clube de Leitores de O MIRANTE com mais adesões (28-01-2010)

São cada vez mais o número de pessoas que todas as semanas aderem ao Clube de Leitores que O MIRANTE criou em Junho do ano passado. Em comum têm os gostos culturais que vão desde a dança ao teatro passando pelo cinema, viagens e exposições. O Clube de Leitores de O MIRANTE foi criado para dinamizar actividades culturais e promover o convívio entre pessoas.

Manuel João Oliveira Lino Lopes, morador em Ribeira da Pipa, freguesia de Casével, concelho de Santarém, é um apaixonado por música. É acordeonista, organiza bailes e pertence aos Grupos de Folclore de Santarém, Vale Figueira, Zibreira e Golegã. Leitor assíduo de O MIRANTE Manuel João Lopes, técnico de refrigeração, não dispensa as notícias de sociedade, política e economia.

Adepto de festa brava Gil Perpétua da Silva tenta não perder um bom espectáculo de tauromaquia. Reformado, Gil Silva, aproveita os tempos livres para ler, passear e dedicar-se à agricultura. As notícias de sociedade são as que despertam maior interesse em Gil Perpétua da Silva, residente em São Vicente do Paul, concelho de Santarém. A história da viatura de O MIRANTE com a companhia de seguros Vitória foi a notícia que acompanhou com maior atenção nos últimos tempos. Além disso, aprecia dar uma vista de olhos pelos anúncios de publicidade e a secção de necrologia.

Um dos passatempos preferidos de Francisco Pereira Marques, de Praia do Ribatejo (Vila Nova da Barquinha), é cantar. Por isso não será de estranhar vê-lo em iniciativas do Clube de Leitores dedicadas às cantorias. Comerciante, Francisco Pereira Marques gosta de ler o jornal O MIRANTE todas as semanas e dá prioridade aos assuntos de sociedade. Já António Joaquim Alves Marques, de Correias, Outeiro, concelho de Rio Maior, prefere ler as notícias de política mantendo-se actualizado sobre o que se passa na região onde vive. Reformado da área da mediação imobiliária, Joaquim Marques gosta de viajar em auto-caravana, de preferência a ouvir música clássica.

Já João Manuel Carvalho Gonçalves, residente em Alcanhões, gosta de ir ao cinema nos tempos livres e no Verão aproveita para se divertir nas festas populares da região. Pintor da construção civil, João Gonçalves não perde uma rubrica de O MIRANTE cor-de-rosa e as notícias de sociedade.

O caso das crianças de Foros de Salvaterra retirados aos pais há cerca de ano e meio pela Comissão de Protecção de Crianças e Jovens (CPCJ) de Salvaterra de Magos tem sido a notícia que Sebastião Carlos Correia tem acompanhado com particular atenção. Sempre que tem disponibilidade, o manobrador de máquinas gosta de visitar museus e conhecer culturas estrangeiras. Leitor atento de O MIRANTE, Sebastião Correia lê em primeiro lugar as notícias que têm chamada à primeira página. Para saber mais informações sobre esta nova iniciativa escreva ou telefone e fale com o departamento de assinaturas e promoção através do número de telefone 243 305 080.

Faleceu José da Graça Cardoso

O membro do Clube de Leitores de O MIRANTE, José da Graça Cardoso faleceu no sábado, dia 23 de Janeiro. Residente em Santarém, era aposentado da Função Pública e tinha 64 anos.

Clube de Leitores de O MIRANTE já ultrapassou a centena de associados (23-12-2009)

Engenheiros, comerciantes, mecânicos, electricistas, técnicos de manutenção industrial ou reformados são algumas das profissões dos mais recentes membros do Clube dos Leitores. Criado há cerca de cinco meses por O MIRANTE, o Clube dos Leitores já conta com mais de uma centena de associados.

João Raposeira Petrica é leitor assíduo de O MIRANTE e quando o recebe começa por ler as notícias com chamada à primeira página seguindo-se a secção de desporto. Dos assuntos noticiados este ano recorda que deu particular atenção à Feira Nacional de Agricultura. Uma feira que, segundo ele, tem vindo a perder importância desde a altura em que passou da cidade para o Centro Nacional de Exposições (CNEMA) nos arredores.

O casal José Martinho Colaço e Ana Maria da Silva Silvestre, residentes em Arrouquelas, concelho de Rio Maior, tornaram-se membros do Clube de Leitores de O MIRANTE em simultâneo e também partilham os mesmos gostos culturais. São ambos reformados e aproveitam o tempo livre para passear, frequentar bailes, corridas de toiros e provas de desporto. As notícias a que dão mais atenção são as referentes à sua terra e ao seu concelho.

Hermínio Teixeira, de Carreiro Areia, concelho de Torres Novas, lê com bastante interesse as notícias de política. Reformado, gosta de visitar museus e saber sempre mais de história. Raul da Piedade Silva, residente em Belida, freguesia de Achete, concelho de Santarém, dedica-se à agricultura e o tempo livre gosta de ocupá-lo com viagens e leituras.

A entrevista a Rosália Amorim, editora da revista Exame, que lançou recentemente o livro “O Homem certo para gerir uma empresa é uma Mulher” foi o assunto que mais chamou a atenção de dois novos membros do Clube de Leitores, Luís Alves, comerciante, de Santarém, e Vítor Manuel Loureiro Silva Rosa, técnico de manutenção industrial, morador no Cartaxo. Os dois não se conhecem mas têm em comum o interesse por cinema.

Vítor Rosa gosta também de teatro, espectáculos musicais, touradas e futebol enquanto Luís Alves aprecia provas de atletismo e natação. O comerciante lê primeiro as notícias relacionadas com a sua terra e não dispensa dar uma vista de olhos pelo caderno de classificados. Vítor Rosa dá primazia ao caderno de economia e às notícias de desporto.

As notícias relativas ao maestro Santos Rosa e a entrevista ao fundador da Rádio Pernes, José Guilherme Paradiz, foram os temas que nos últimos tempos despertaram maior interesse a Luís Moleirinho. O reformado, residente em Vila Nova da Barquinha, é apreciador de música clássica, folclore, leitura, gosta de visitar monumentos e tudo o que esteja relacionado com história. As notícias da sua terra e o caderno de classificados são as secções que lê com maior atenção.

As notícias de sociedade são as que Carlos Mendes Casaca, residente em Lagoa de Albufeira, concelho de Sesimbra, lê com maior atenção dando depois uma leitura mais pormenorizada a todo o jornal.

Dar um pezinho de dança, nadar e uma saída ao cinema são os passatempos preferidos de Maria Helena Lopes Pereira, da Meia Via, concelho de Torres Novas. A engenheira que também gosta de viajar, pintar e fazer jardinagem não perde os artigos do caderno de economia nem reportagens ou notícias sobre etnografia, cultura e história.